segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Falar sozinho

Tantas vezes repito as mesmas conversas comigo mesmo, tantas vezes reviver aqueles momentos, aquelas horas...e para quê, fodasse?! Vai mudar alguma coisa?

E seu eu não tivesse dito aquilo? Será que ela me tinha dado uma chance? Foda-se...eu fui tão parvo e tão estúpido, para que raio disse eu aquilo? Claro, foi por teres sido uma besta que ela não te quis para mais do que umas quantas fodas...Será? Se calhar estou mas é a fazer filmes a mais na minha cabeça...é isso, foi o que foi, já sabias disso...

Será que foi realmente culpa minha?! Naaa...caramba, já sabia como eu era, avariado, partido...já sabia que eu me ia embora e não ia voltar para Portugal. Eh pah, mas será?! Hummmm...seguiu com a vida dela, claro, como as pessoas normais fazem e conseguem fazer. Que gaita, já passou, já foi, água debaixo da ponte, adiante...

Não tens mais nada em que pensar??? Estou farto de pensar no trabalho...será que tenho alguma coisa para o jantar? Ah ya, descongelo e tá feito, não estou com pachorra para mais nada.

Vamos lá, bora ao ginásio que andas a pagar a peso de ouro, sempre desligas o cérebro por uma horita ou duas...ai que vontadinha senhores...

"Hello? Yes...it is I...Sorry, I left the office a couple hours ago...no, I'm not going back today, I'm at the gym! No worries, just send me an email and I'll get back to you first thing in the morning. Bye..." Ai o caralho, mas este não tem Google para ver o fuso horário? Palhaçada...

Vá, vamos a ver se hoje adormeço mais rápido...a ver se não penso em nada. Dorme pah...Amanhã pensas nisso, ou não, ou dás em tolo...eh pah agora apetecia-me pipocas...

8 comentários:

  1. PM, objectivamente sabemos que os se's não servem para nada quando se referem a situações passadas. O que foi feito, feito está. Teve sentido naquele momento ou assim pensámos ou, ainda, as circunstâncias levaram a isso.

    É importante fazermos as pazes connosco no que respeita aos nós que teimam em estilhaçar-nos por dentro. Fazer as pazes connosco não significa derrota ou conformismo, mas sim aceitação. Aceitar é conseguir integrar bem a adversidade nas nossas vidas, mesmo sabendo que não é o ideal. É o possível transformador. E isto não é conformismo.
    E isto não é nada fácil.
    Sabes, também é preciso contrariarmos a tendência para termos pena de nós e alimentarmos as tristezas e angústias. Às tantas, a pena pode tornar-se uma óptima companhia e fazer-nos paralisar.

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que está feito, o que se passou é passado e não dá para o ir alterar, eu sei disso mas o que se há-de fazer...a cabeça não tira férias.
      Há coisas com as quais estou em paz, outras nem por isso mas é uma questão de tempo e de eu não tocar em certas coisas. Acho que isto também é dos dias, há dias em que não me chateia nada e há outros...

      Quando se vive desta forma solitária há coisas que nos vão fazendo companhia, podem não ser as melhores mas vamos vivendo...Se calhar sou só eu, pancadas minhas.

      Beijos

      Eliminar
  2. Ai ai, hoje aconteceu-me o mesmo, só dizia para mim "não me apetece pensar nisto " mas o nosso cérebro é terrível.
    Olha ... adorei a ideia das pipocas :))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é e depois ainda começo a falar sozinho coisas do tipo "tens tanta coisa com que te preocupar, tanta merda no trabalho e pensas nisto..." O que vale vou no carro e não me ouvem lol

      No Domingo fui a uma estação de serviço de propósito para comprar pipocas (de microondas) e um gelado :P

      Eliminar
  3. Deves imaginar o quanto se repetem esses monólogos nas cabeças desse mundo fora, faz parte da condição humana, se... se... se... mundos alternativos que se constroem para atenuar ou agravar a dor, a escolha será sempre só nossa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muita gente com se's na cabeça que provavelmente nunca serão confirmados ou desmentidos...
      Por vezes construímos essas realidades paralelas mas não convém desligar do mundo real porque esse não se compadece com devaneios.

      Eliminar
  4. Entro tantas vezes nesse jogo dos "e se..." e nunca obtenho uma fdp de uma resposta válida para algumas atitudes tomadas.
    Vai dar uma caminhada, beber um copo num bar, pode ser que encontres alguém para conversar um bocado. Beijinhos PM

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não chego a grandes conclusões...

      Eu tenho saído, bebo alguma coisa, fumo um cigarro se me apetece, desligo um bocado, vejo gente e depois volto para casa. Dá para espairecer um bocadinho :)

      Eliminar