quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Dores pah...

Alguém me dê drogas que me tirem as dores se faz favor!!! Para as dores da alma o álcool ainda me vai servindo agora para aquelas causadas por um tipo que andou de alicate a arrancar-me cenas da boca...

Food Drugs animated GIF

sábado, 12 de setembro de 2015

Dente

Foda-se...foda-se...foda-se...foda-se...foda-se...

Vou voltar a ter de sofrer horrores numa cadeira de dentista. O meu terror foi tal perante a notícia que o dentista se sentou à minha frente e me disse para ter calma.

Ponham-me a dormir desta vez, dêem-me alguma merda que me faça apagar completamente.

Foda-se...  

(Há quem ache que o facto de eu usar palavrões na escrita e de os dizer é grosseiro e deselegante mas não é nem para ofender nem de forma gratuita, é para desabafar)

terça-feira, 8 de setembro de 2015

O almoço

Almoço sozinho praticamente todos os dias, não por opção mas porque não tenho ninguém com quem almoçar. Não me incomoda muito sinceramente, não é nenhum drama, quando o rei faz anos tenho companhia para almoço o que torna a refeição mais agradável. 

Pensando bem e tirando quando está mais alguém na cozinha aqui de casa, eu faço todas as refeições sozinho. Aprendi a comer sozinho, a estar só eu, a comida e o computador para ver uma série. Para mim é normal, vivo neste país sozinho, conheço algumas pessoas (não sei se chamar essas pessoas de amigos não será esticar a corda) mas não existe um hábito de ajuntamentos, pelo menos do qual eu faça parte.

Aqui há uns tempos fui convidado para um jantar com um grupo de conhecidos e lá fui eu alegremente pela estrada fora à descoberta de mais uma terriola aqui do burgo. Estavam lá algumas das pessoas com quem me dou há mais tempo desde que aqui vivo. Com o tempo uma pessoa percebe os defeitos, vai tolerando mas a certa altura...oh pah... 

Não tenho paciência para certas merdas, já dei para muitos e diversos peditórios do mesmo género mas depois eu é que sou o puto no meio disto tudo...

No tal jantar a certa altura alguém perguntava a outra pessoa, colega de trabalho, como estavam os planos de almoço para aquela semana porque TINHA de ter companhia para almoço. Não era querer companhia por não gostar de almoçar só, era porque TINHA de ter. Estas duas pessoas trabalham num sítio altamente político, cheio de aparências em que até para tomar café as pessoas escolhem a companhia. O ver e o ser visto...

A conversa começou a incomodar-me por toda a superficialidade da cena. 

A certa altura ficava chateado porque não me incluíam em planos de almoço, sentia-me como aquele elemento de recurso para fazer número e até me sentia a mais. Comecei a dar mais valor a comer sozinho. 

Comam, relaxem, deixem-se de merdas.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015