sexta-feira, 6 de junho de 2014

Mas queres o quê?

Normalmente até sei o que vou querendo mas tenho falhas importantes relativamente às coisas que realmente quero da vida. Importantes porque às vezes nem sei se é bom ou mau...por exemplo, ainda não sei o que quero fazer o resto da vida a nível profissional.

A nível pessoal também não tenho a certeza muito sinceramente. Aqui há coisa de três anos eu achava-me completamente pronto e preparado para me meter numa relação séria, uma coisa tipo casamento mesmo, brincar às casinhas e por aí fora. Achava-me no ponto, pronto era isso.

Há uns dias esta ideia voltou-me à cabeça e andei uns dias a pensar nisto. A conclusão a que cheguei é que acho que não estou nada preparado. Em vez de crescer e amadurecer acho que regredi neste aspecto. Não sei se fiquei mais amargo, azedo, desencantado com a vida e por isso agora me sinto assim ou se sempre fui mais imaturo do que aquilo que eu julgava ser. Continuo a querer viver um amor pleno, um compromisso sólido e que me preencha em pleno e me faça feliz...

Não sei, sinceramente não sei e acho isto estranho. Eu já devia estar bem resolvido relativamente a este assunto.

O que sei é que voltei de coração apertado por quem deixo, com vontade de ficar e perceber-me, perceber algumas coisas que vão cá dentro

10 comentários:

  1. Olha já somos dois não saber o que queremos. A nível profissional nem sei bem como estou...nem vale a pena falar.
    A nível pessoal/amoroso também não sei. Se em tempos achava a ideia de casar algo que iria acontecer um dia na minha vida, hoje já não tenho tanta certeza. Parece que vou ficando p'ra aqui...sozinha, mas também nem sei se quero uma relação séria neste momento. Lá está, não o que quero.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sempre estive sozinho mas sempre quis experimentar o outro "lado", isso não se foi, mas já não sei bem em que moldes. Se por um lado acho que já sou tão bicho do mato que só me dou sozinho, por outro lado faz-me falta alguém que me faça companhia nas viagens para além da mochila.

      Eliminar
  2. Eu tenho a minha vida bem definida e estou confortável como estou. Já brinquei às casinhas e não gostei.. Gosto da minha liberdade, gosto de experiências novas, gosto de ter alguém na minha vida e de gostar, mas não sou mulher de amarras ou jaula... Encontrei o equilíbrio que tanto precisava, um corpo que me aqueça mas a liberdade de escolher o que quero para mim... Vivo sozinha por opção, adoro o meu espaço, a minha casa, o meu tempo... sou egoísta eu sei, mas vivo feliz assim.

    Pensa bem no que queres, porque depois de estares no barco é muito difícil deixares de remar... e com filhos então uiii upa, upa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tu tens a vida como eu neste momento provavelmente gostaria de ter, não me estou a queixar da vida que tenho porque é fruto das minhas escolhas mas bem que podia ter algum do 'sal' que lhe falta.

      Também tenho algum desse egoísmo de que falas e acho que de uma maneira estranha isso me faz pensar bem nas opções e decisões de vida porque apavora-me a ideia de alguém sair prejudicado com as minhas escolhas e o meu modo de ver e viver a vida.

      Vou vivendo e descobrindo o que quero e quem quero e se algum dia houver conjugação de vontades...quem sabe :P

      Eliminar
    2. Também sou da opinião que a LIBERDADE, é das coisas mais preciosas da vida, porém,também acho que devemos experimentar de tudo ... mesmo

      Só deste modo podemos ter uma opinião das coisas, mas isto sou eu que penso assim.

      Ter alguém que goste de nós... é também... muito bom, já vivi isso, mas o ser humano é tão complexo, e ...não se vive eternamente apaixonado... :(




      Eliminar
    3. Luar, é isso, experimentar para saber como é e para perceber se é o que queremos ou se realmente é o que não queremos. Só o contacto real nos permite ter uma opinião mais informada se assim quisermos dizer.

      Não se vive eternamente apaixonado...é discutível mas eu até que concordo contigo, no entanto deve ser bom viver apaixonado e ser correspondido mesmo que por um curto período de tempo, digo eu...

      Eliminar
  3. Li o teu post com atenção e só posso dizer-te que, independentemente de tudo, o mais importante é seres feliz à tua maneira!
    Se estás sozinho ou acompanhado, se és egoísta ou generoso, se te sentes preparado ou se achas que és imaturo... Não interessa, não tenhas pressa de viver tudo de uma só vez ou de encontrar respostas de um dia para outro!
    Vive um dia de cada vez e vai deixando que novas coisas surjam com a maior naturalidade. Saboreia o que te faz sentir bem...
    Depois?
    Bem, depois decides o que queres...

    Vive-te hoje, pois o amanhã é incerto!


    Com carinho, Inês.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inês, uma querida como sempre, obrigado :)

      Tento ir fazendo a minha felicidade aos poucos, com as pequenas coisas que vou conseguindo, com as coisas que vou vivendo e disso retirando prazer e a felicidade possíveis. Também nos meus e no seu bem estar consigo a minha felicidade, talvez mais do que o resto é isso que faz com que esteja bem.

      Sabes que por vezes é complicado aguentar os impulsos e é inevitável sentir que há uma certa urgência de viver e queremos tudo para ontem e saber tudo já. Tenho a constante sensação de que parte da vida me passa ao lado e isso deixa-me um pouco frustrado, daí eu querer viver tudo porque acho que já passei tempo demais sem viver mas não quero dar passos em falso.

      Tens razão e dá alguma segurança as tuas palavras, viver um dia de cada vez aproveitando o melhor que ele nos pode dar e deixar que a vida aconteça e não lhe fechando a porta, novas coisas podem entrar e melhorar a vida. Quem sabe as respostas não vão surgindo.

      Beijo grande :*

      Eliminar
  4. Engraçado que ando a pensar nisso e hoje estava a vasculhar o teu blog (que nem sei quem és, nem já como te descobri) e vi que em certas linhas me revejo.
    Há tempos eu via-me numa relação seria e era tudo o k eu queria. Hoje não sei bem, e quanto mais pessoas conheço, mais esquisita sou na escolha. Depois é quando quem eu acho que poderia ser nem me dá chance ou brinca comigo. Mas já não sei, vejo muitos casais e vejo efectivamente que não quero ser como eles, sobretudo como elas são. Será que existe necessidade de mudar assim tanto?! Ok! temos sempre de mudar algo quando temos uma relação, mas parece que nem sei...não sei explicar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá,
      Vasculha à vontade, não importa como chegaste ;)

      Fizeste-me rever este post e continuo na mesma, não houve grandes mudanças em mim nesse aspecto. Percebo perfeitamente o que dizes e concordo, tanto no aspecto de as pessoas não me darem numa chance nem brincarem comigo como no caso das pessoas que entram em relações. Não percebo o porquê de mudarem e quase deixarem de ser quem são...enfim.

      Eliminar