domingo, 26 de maio de 2013

Sempre com as malas feitas

Há dias o telefone do escritório tocou. Era uma amiga/colega de estágio também Portuguesa. Queria combinar como era uma ida ao cinema com outra amiga para irmos ver um filme sobre a emigração Portuguesa, a Gaiola Dourada que aconselho vivamente.

A primeira frase que ela me disse foi muito rápida mas deixou-me a pensar um bocado na minha maneira de ser e de como me tornei. A frase de início de conversa foi algo como isto: "Fogo pah...tu só me desprezas, tenho que ser eu sempre a ligar-te para alguma coisa."

Não é de propósito, juro. Não quero eu ou tenho motivos para fazer tal coisa. Nem com ela nem com ninguém. Fui-me tornando assim, um pouco à espera que os outros me falem, venham ter comigo em vez de eu ir ter com eles. Detesto sentir que estou a incomodar ou a mais na vida das pessoas, se calhar por vezes é paranóia minha se calhar às vezes é verdade.

Acho que isto poderá ser de certo modo um mecanismo de defesa. 

Tenho tido uma vida de nómada e pelos sítios onde vou passando deixo pessoas de quem gosto mas a verdade é que, mea culpa, não tenho feito tudo por manter contacto com elas e quando estou nos sítios e sei que dali a meses me vou embora, de forma quase inconsciente vou deixando de fazer por manter contacto com essas pessoas. Custa-me cada vez mais deixar as pessoas de quem gosto porque, infelizmente, não vou tendo possibilidades de as ir visitando. A crise e outras questões pessoais pesam muito. Pode soar a desculpa porque há Skype, Facebook, email, etc mas nem toda a gente lhes liga e não há nada que substitua o contacto pessoal.

Há anos que não sei onde vou conseguir estar no espaço de 6 meses, estou sempre com as malas prontas, a cabeça não sossega, há sempre um peso no coração por ter que estar sempre pronto a partir. 

A mudança é boa, mas eu gostava de deixar de ter por uns tempos esta sensação de estar constantemente de malas feitas, de ter que partir. 


A mala está a ser preparada, em breve será tempo de partir quase de certeza...


segunda-feira, 20 de maio de 2013

Vontades simples

Hoje choveu copiosamente.

Choveu bastante como se de um dia de Inverno se tratasse. Não tinha muita vontade de estar em casa mas também não tinha grandes alternativas para além de ter que começar a pensar na próxima etapa da minha vida.

Olhava pela janela a ver a chuva lá fora e a única coisa de que eu tinha vontade era de entrelaçar os meus dedos nos cabelos dela, suavemente, em silêncio, ficar ali quieto, mudo, com ela...

Mesmo as mais simples vontades às vezes parecem impossíveis de concretizar.

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Ninharias que me irritam

As pessoas que o dizem e usam esta palavra que me desculpem, mas deve haver algum lugar no inferno para quem diz "namorido".



Já tinha lido há uns largos meses e na semana passada li outra vez já nem sei onde. Ai pah...faz-me comichões. Que raio, ou diz uma coisa ou outra. Uma coisa não pode implicar a outra? Por ser marido já não pode ser namorado? Pode e deve. O namorado não poderá vir a ser marido? Pode mas também pode não acontecer.

Deixem-se de coisas e simplifiquem, sim até nas nomenclaturas devem simplificar. 

Muito embora não correndo esse risco, se algum dia uma mulher dissesse que eu era o 'namorido' dela a coisa ia ficar mal parada. Para além de ser um enorme 'corta tesão' eu ia ficar com medo que ela ainda me começasse a chamar de 'mor' e então aí era o fim da picada e da relação na certa.



Outra cena que me faz revirar os olhos são os perfis de Facebook conjuntos. Ai que me dá uma vontade de dar um par de chapadas a certas pessoas...eu gostava de perceber o que vai na cabeça a essas pessoas, e que tal manterem a sua individualidade? Pode até nem ter muita importância mas estas coisinhas da anulação do 'eu' aborrecem-me um bocado. 



domingo, 5 de maio de 2013

Na falta do sentir fica algo para ouvir

Tenho andado a ouvir estas músicas com alguma insistência.

O som, as letras, a melodia são agradáveis ao ouvido por diferentes motivos.

Esta do James Blake é, em minha opinião, melancólica e algo viciante, é quase sedutora. 


A voz nesta música é sedutora sem dúvida. Fácil de ouvir e de gostar. Tem uma letra interessante :)



Esta última é para recordar o Verão do ano passado. Boa para dançar, boa para ouvir num fim de tarde a ver o por do sol, uma letra interessante também.