quinta-feira, 26 de julho de 2012

Vazio


No post anterior falei em vazio. 
O vazio interior, o sentimento que nos falta algo ou alguém. Tal como me habituei à solidão e aprendi a viver sozinho e a lidar bem com isso, também me habituei a sentir este vazio. É normal, sempre cá esteve e só percebi o que isso era ao ver os outros a viverem grandes paixões e amores.

Há três anos o vazio no meu coração era total. Já fazia um par de anos que não me interessava ou apaixonava por ninguém. Estava perfeitamente tranquilo quanto a isso e de certo modo até preferia assim. O estar apaixonado sempre foi algo delicado para mim. Estava só concentrado no trabalho e isso era bom, no entanto, sentia falta de algo.

Esse estado de “vazio tranquilo” continuou por um bom tempo e sinceramente não sentia falta nenhuma de me apaixonar. Era estranhamente libertador agora que penso nisso. Mas um dia já de volta a Portugal conheci-a. Aquele modo de ser espevitado, aquela perspicácia, aqueles olhos lindos cativaram-me.

Algo mudou naquela noite. Mais de um ano depois é que percebi quanto tinha mudado. Eu sentia algo novamente. Não sabia se era bom ou não, se me faria sofrer ou não.

I regret nothing!

O vazio de hoje é diferente. Há alguma dor, sofrimento e desilusão a ocupar espaço. É também vazio por algo que não tenho mas sinto-o de uma forma diferente. Agora há alguém que eu queria a preencher esse vazio.

Tenho que varrer esses sentimento negativos para fora. A haver vazio ao menos que seja como dantes: só vazio e tranquilidade.

9 comentários:

  1. Vamos esperar que o Sr.Tempo cure isso! ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos esperar que sim. Diz que esse senhor tem a cura para muitas e diversas maleitas, já acreditei mais mas a ver vamos ;)

      Eliminar
  2. Espero que ela volte :(
    E se não voltar, ergue a cabeça e segue em frente...
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se por um lado queria muito que ela voltasse por uns tempos para eu dar um fim como gostava a isto, por outro queria que deixasse o meu coração rapidamente e de forma permanente.

      Eliminar
  3. Cada vez mais me vou convencendo que não desaparecem esses sentimentos, temos é que arranjar uma caixinha onde os arrumar para que não andem à solta, atropelando-nos quando menos contamos.
    E claro arranjar muitos sentimentos, viver muito para a caixinha ter companhia...
    Curioso a maior parte das pessoas tem medo de estar só, o vazio...
    Eu posso dizer que se há altura em que sou assolada por esse sentimento é quando tenho muitas pessoas em volta, mas não a pessoa que naquele momento devia estar.
    Gosto de estar só comigo, necesssito mesmo, chego mesmo a ir de férias sem mais ninguém.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens muita razão quando dizes que muita gente tem medo de estar sozinha. Deviam mesmo estar sozinhos e sozinhas durante um tempo e aprenderem a viver só consigo.

      As coisas realmente não desaparecem completamente, antes fosse, por isso é que ainda cismo em certas coisas do passado e guardo algum rancor. Não é bonito nem o devia fazer, mas é quem eu sou, com muitos defeitos.

      Muitas vezes quando estamos no meio de muita gente é quando nos sentimos mais sós, como eu te percebo :)

      Eu também preciso de estar algum tempo só e às vezes até me sinto culpado porque acho que passo tempo a menos com a família mesmo estando na mesma casa. Pior me sentia quando vivia fora do país e quando vinha cá visitar a família por vezes ia para o meu quarto ver TV só para estar só. Estranho, certo?

      Eliminar
    2. Revejo-me, para mim é muito familiar o que escreves, o problema é os outros entenderem.

      Eliminar
    3. Ora eu revejo-me em ambos...
      O mal é que nós somos almas solitárias....o que não facilita as relações amorosas....Embora sejamos dedicados, temos necessidade do nosso espaço...
      Eu hoje...já não procuro o amor...acho que deixei de acreditar nisso.....

      Eliminar
  4. muitas vezes, somos nós na solidão que não os deixamos partir...e só prolongamos o sofrimento, a saudade, o desamor.

    ResponderEliminar