quarta-feira, 11 de julho de 2012

Chorar por alguém

Será que alguém merece mesmo as nossas lágrimas?

Eu fiz esta mesma pergunta a mim mesmo quando tinha talvez 17 anos e após o do episódio que mais marcou a minha adolescência: o meu primeiro grande amor!

Eu vivi mais de 4 anos completamente e irremediavelmente apaixonado por aquela miúda. Ela tinha um sorriso lindo, uns cabelos longos e fartos, e uns lábios como eu nunca mais provei. Acho que o beijo dela é mesmo a coisa que mais em deixa saudades apesar dela não ter sido grande fã dos meus beijos como anos mais tarde me confessou.

Foi este primeiro grande amor que me fez chorar pela primeira vez por uma rapariga. Olhando agora à distância e de forma mais fria: aquilo era amor o que eu sentia!

Conhecia-mo-nos desde os 6 anos de idade. Sempre andamos na mesma turma mas, só com 14 ou 15 anos é que a comecei a olhar de outra forma. Tornei-me o melhor amigo. Sabia das paixões dela. Sabia de tudo e sabia até que ela se apaixonou pelo meu melhor amigo e nosso amigo comum da escola. Sei que aquilo não deu nada. Eu sofri calado. O tempo passou e um dia ela disse-me que gostava de mim e que devíamos ver no que dava. O coração quase me saltou do peito com tanta alegria. Foi uma coisa passageira, durou muito pouco e ela partiu-me o coração de uma forma que ainda hoje ela em dia não faz ideia da dor que me causou.

A isto também ajudou o facto de muito pouco tempo depois ela ter começado a namorar com o tipo que daqui a menos de um ano se vai tornar marido dela. (E eu já fui convidado…)

Chorei um pouco, pouco porque o orgulho e raiva foram mais fortes e fizeram-me jurar que nunca mais choraria por mulher alguma. Mulher alguma merecia as minhas lágrimas se me fazia sofrer. Eu era demasiado bom para isso. Orgulho parvo de adolescente.

O meu primeiro amor ainda mexe comigo. É como que um assunto inacabado. Muitas vezes penso que ela é a mulher da minha vida e vai casar com outro. Sinceramente quero que ela seja muito feliz. Ela é a pessoa que melhor me conhece apesar de já não ser ela que sabe de todos os meus segredos, eu confiava-lhe a minha vida.

Mantive a promessa, de não chorar, intacta por mais de 10 anos. Apaixonei-me de novo e de novo me desiludi mas, mesmo às vezes custando-me horrores, mantive-me firme e nem uma lágrima rolou.

Nenhuma lágrima rolou até a motivadora de outros posts ter entrado na minha vida e depois me ter deixado o coração completamente destroçado, aos cacos…ainda não sei se é um amor tão grande como o primeiro mas é pelo menos tão forte e avassalador!

Por ela já chorei diversas vezes e de todas ela não consigo deixar de me sentir ridículo, sinto até alguma vergonha. Acho que não faz sentido. Porque é que me hei-de sentir tão triste e tão mal por alguém que se está a borrifar para mim?

Às vezes é mais forte do que eu.

9 comentários:

  1. Não é vergonha nenhuma. Nós choramos quando aquilo que sentimos é superior ao que o nosso corpo consegue suportar... se assim é, então que assim seja.

    Além disso, é como se costuma dizer, lava a alma :)

    A.S.

    ResponderEliminar
  2. Não sei porque é que há aquela frase: "Um homem nunca chora". Acho que essa frase não tem qualquer sentido...
    Não há mal chorar, afinal de contas é uma libertação emocional... E acaba por ter as suas vantagens...
    Quanto ao alguém merecer as nossas lágrimas... Não, ninguém merece as nossas lágrimas, porque quem nos faz chorar é porque não tem respeito por nós, pelos nossos sentimentos.
    Mas isto tudo faz parte da vida... Uns dias mais felizes e outros menos felizes.
    Tenho a esperança de um dia encontrar aquela pessoa que me faça sempre sorrir :D
    ***

    ResponderEliminar
  3. Estou a ler os teus dois ultimos posts e não sei qual comentar primeiro. De certeza que se escrever o que estou a pensar vais dizer, no fim de ler, que não deveria ter escrito nenhum.

    ResponderEliminar
  4. Desculpa. Escreves bem, é o meu comentário.
    Ignora o anterior, relembro-me de um chavão que não me recorda com precisão mas diz isso mesmo, que ninguem merece as nossas lagrimas e quem merece nunca nos faria chorar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não iria ficar chateado com qualquer comentário teu. como já disse anteriormente, se dou a possibilidade de comentarem tenho que me aguentar à bronca. Não te iria censurar por certo ;)
      Diz o que queres, o que te vai na alma. Quem sabe não preciso de ler isso. :)

      Eliminar
    2. Tenta abstrair-te do que sentes e coloca-te do outro lado, na posição dos dois amores da tua vida, tenta ver a vossa relação pelos olhos delas.

      Eliminar
    3. Eu já tentei fazer isso para tentar perceber como é que eu me devia comportar por assim dizer. Já tentei por-me no lugar delas para tentar perceber se sou eu que estou assim tão errado.
      As conclusões a que chego não são muito positivas. No final de contas fui eu que me enganei profundamente sobre as pessoas.

      Eliminar
  5. Não queria insinuar que estás errado. Mas ao ler o que escreves a conclusão que chego é que o teu primeiro amor não foi correspondido, tu amavas, ela gostava de ti e foram ver no que dava...
    Tu ainda mais envolvido ficaste, ela provavelmente entretanto apaixonou-se... por outro.

    Esta foi a minha leitura.

    Não volto a fazer comentários infelizes.

    Só uma nota final, não sei se deves correr tanto atras, só sinto falta se me derem espaço e tempo para isso. Se souber que xyz está sempre lá para mim, com o tempo deixo de dar o valor que isso tem.

    Não sei se se aplica, não deveria ser assim, mas é a realidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uma vez: eu não levo a mal os teus comentários nem os acho infelizes!!!!
      Na verdade, tem sido muito bom ler as tuas opiniões. Tem-me dado que pensar e tens sido mais honesta que a maior parte das pessoas.

      Quanto ao primeiro amor: não podias estar mais certa. No fundo ela confundiu as coisas e eu amava aquela miúda é verdade.

      Quanto ao correr atrás, novamente tens razão mas eu também não sou do tipo que está sempre a insistir. Se acaba ou me dizem não, para mim é definitivo. Pode-me custar horrores, mas eu deixo a pessoa em paz. Claro que não deixo de pensar na pessoa ou de querer saber dela, mas tento desligar-me. Este último caso tem tido alguns contornos diferentes daqueles que eu costumo seguir por assim dizer.
      Eu percebo o que queres dizer com o deixar de dar valor. Não devia acontecer e eu já senti isso antes.
      Neste caso, ela é que perde sinceramente :P

      Eliminar