sexta-feira, 20 de julho de 2012

A noção de que algo nunca nos acontecerá

Já tive melhores momentos na minha vida do que aquele que actualmente atravesso mas, mesmo nos melhores momentos, sempre houve coisas que eu sempre achei que nunca irei conseguir ou que me irão acontecer.

Não é algo bom para se sentir. Chega a ser cruel e mais insólito, por assim dizer, é que tudo isto é auto-imposto. Não há ninguém a dizer “nunca te irá acontecer” ou “tu não consegues, desiste”.

Eu não me quero estar a fazer de vítima ou coitadinho e pedir a compaixão das pessoas que possam ler o que escrevo. São palavras e sentimentos o mais honestos possível.

Bem sei que muito deste sentimento pode advir de crises de auto-confiança e baixa auto-estima, não é mentira mas às vezes há coisas que dão que pensar.

Uma das coisas que mais frequentemente me vem à cabeça (tema recorrente do que tenho escrito) como inalcançável, inatingível ou impossível de acontecer é o amor. O amor verdadeiro, apaixonado, avassalador, incondicional, sufocante, puro.

Fazendo uso de um conhecido chavão: “Podes achar que não és ninguém no mundo mas podes ser o mundo de alguém!”

Eu queria ser o mundo de alguém e já falei amplamente nisso no post “Dar”.

Eu sei que pode soar dramático ou pessimista mas há dias que perco a esperança. Há dias em que páro um bocado para pensar no que está para trás e não chego a conclusões muito boas. Perceber que nunca senti a paixão verdadeira por parte de ninguém deixa-me triste, é doloroso. Olhar à minha volta e perceber que, em determinado momento das suas vidas, todos os que me rodeiam tiveram alguém nas suas vidas que estiveram ou ainda estão apaixonados por elas e/ou as amam ou amaram, excepto eu deixa-me perplexo.

Deixa-me a achar que certas coisas são impossíveis para mim. Não porque eu não quero, porque quero muito, mas nem tudo depende de mim.

Serei eu um bicho assim tão horrível, tão asqueroso, tão impossível de ser amado?! Eu acho que não, quero acreditar que não!

Quero acreditar que daqui a umas semanas ou um par de meses alguém vai querer dar-me a mão e entrelaçar os dedos nos meus enquanto caminhamos lado a lado.

Se não acontecer também ninguém morre por isso. A vida vai continuar de uma maneira ou de outra.




10 comentários:

  1. Quem diz que é sempre confiante a 100% do tempo....é mentira...eu não acredito nessas pessoas..
    Todos nós temos deste tipo de questoes pessoais...eu tenho muitas vezes....
    Não acredito que sejas asqueroso....acho que por algum motivo "ainda" não te aconteceu....mas amanhã quem sabe...
    Beijinho e força

    ResponderEliminar
  2. Há dias em que tenho pensamentos parecidos e em que tenho medo de ficar sozinha para sempre. Mas depois penso (e vou usar as tuas palavras) que não sou horrível nem asquerosa. Se não há por aí uma pessoa boa para mim é porque sou boa demais! E ninguém é tão mau que não mereça ser amado incondicionalmente. E mais, encontrar a nossa alma gémea não é suposto ser uma tarefa fácil, já que é uma das coisas mais importantes da vida. Há pessoas que têm muita sorte, mas noutras demora mais um bocadinho para a coisa ser mais animada e mais desafiante. Pelo menos é nisso que quero acreditar! Se estiver destinada a ficar sozinha, fico! Sou uma óptima companhia para mim mesma! E aposto que tu és uma boa companhia para ti mesmo também! :P

    Já agora, não percas a auto-estima por uma coisa dessas! Ainda não tens 70 anos, pois não? Ainda não está tudo perdido!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sabes, eu não acredito muito nisso da alma gémea. Acredito que existam pessoas que "encaixam" em quem nós somos e é de tal maneira bom que uma ligação muito forte é estabelecida. Fácil não é, concordo, mas não partilho da opinião que só sendo difícil é que se dá valor.

      Estou como tu, se tiver de ficar sozinho fico :) Mas olha que tu não ficas porque com uns olhos lindos como os teus é tão fácil um homem perder-se :P

      P.S. - não tenho 70 anos não, estou relativamente perto dos 30.
      P.S.2 - sardas é giro ;)

      Eliminar
  3. Curioso, vivi quase toda a minha vida com a certeza do inverso. Não achei que algum dia iria amar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Durante algum tempo pensei o mesmo mas na verdade era eu que não sabia bem dar o nome às coisas.

      Eliminar
  4. Tenho que fazer uma correcção, não sou uma idiota insensivel que não gosta dos outros, amo a minha familia, amo os meus amigos, mas o que referes como "O amor verdadeiro, apaixonado, avassalador, incondicional, sufocante, puro" para mim era construção para vender romances ou só possível para mentes muito especiais.
    Hoje sei que o que descreves existe e é bem mais que isso. Foi uma bomba que caiu inesperadamente na minha vida e que quase a arrasou, um amor que não consegui conciliar com a minha vida (e não não era nenhum amor impossivel ou não correspondido, foi apenas grande demais).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu percebo o que queres dizer e era por aí que queria ir. Não me referia ao amor pela família ou amigos. Era mesmo o amor romântico por assim dizer.

      No meu caso, como já deu bem para perceber, nunca foi devidamente correspondido e por isso escrevi o que escrevi.

      Um amo como esse que quase te consumiu a vida assusta-me um bocado. Já lá diz o povo que é preciso ter cuidado com aquilo que se deseja e eu temo que às vezes me caia uma bomba dessas e eu não consiga lidar com isso.

      Eliminar
    2. Que te surja um amor do teu tamanho :)

      No meu caso já passou. Voltei a viver da forma livre que vivia.

      Eliminar
  5. Toda a gente tem medo e receio... E quem disser o contrário ou está a ser mentiroso ou é um grande convencido!
    Tal como tu, espero que algum dia apareça aquele alguém que me faça sorrir 24h por dia (ahah) e que me faça a pessoa mais feliz do mundo... Ou pelo menos que me faça sentir importante na vida dessa pessoa e que me dê o devido valor :) [Sem as tais lágrimas!]
    É uma questão de tempo... Quem sabe um tempo próximo :P
    Não podemos é cruzar os braços :)
    O teu dia irá chegar! :D

    ResponderEliminar